sexta-feira, 25 de março de 2011

“ Meu amigo, anjo azul...


“ Quando criança 
ao caminhar pela floresta
Olhando os pássaros e a natureza
Criança inocente foi se descuidar.

Traiçoeira escondida entre folhas
Terrível serpente 
A criança foi machucar
Dor amarga, fizeste 
Criança inocente
Uma lagrima derramar.

Não podia gritar
estava longe de casa
Olhos se perdendo na escuridão
Criança parecia ter
Um destino traiçoeiro.

Deitada no caminho
Olhando a natureza
Vento gelado seu corpo sentia
Seria este o fim.

Mas anjo da guarda
 Nunca está longe
Em forma celeste
A criança ele lançou 
Em seus braços.

Criança mergulhada em lágrimas
Só sentia que a dor
 Já estava indo embora
Foi abrindo seus olhos
E um ser angelical se revelou.

Quem é você?
Criança perguntou
Não se preocupe
Sou chamado anjo azul
E para casa irei te levar.

E assim se poderia imaginar
Que o destino levou 
Com àquele anjo azul
Inocente criança para o céu.

Não era a hora
Ele não levou, mas a salvou
Para viver a vida intensamente.

E a prova se mostra na pessoa
Que digita estas palavras
E que descobriu que 
Seu melhor amigo
 Foi e sempre será
 Meu anjo da guarda
Meu amigo anjo azul.