quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

E se o escritor se apaixonar?

Em tantas voltas do meu rabiscar
Descrevi sonhos e ilusões
Viagens pelo mundo
Sem sair do meu lugar.

Sou feliz, sou o escritor
Que se encanta facilmente
Nos detalhes de cada amanhecer.

Mas a vida sempre surpreende
E os versos que deixei partir
Para encantar sonhos distantes
Voltaram a me abraçar

Versos velozes, sem medo
Diferentes e aventureiros
Outrora açucarados
Com perfume das flores.

Em tantas voltas, resumi que isso é o amor
Que senti por um bela
Que encantou os meus dias.

Mas a vida surpreende
E o amor me foi apagado
Não era amor
E virou um rascunho que não desejava
Por que era a minha mais bela poesia.

O que foi amor, virou ilusão
E ainda virou poesia
A tinta que antes azul, da cor do céu
Virou cinza, perdeu-se a luz.

Mas a minha força
Está no coração, no solo fertil das palavras que sempre nascem
Como flores ainda mais belas.

Ao escrever em meio a tempestade
As letras ficaram borradas pela chuva
Ainda assim não desiste e continuei continuo a escrever.

Sou forte, mesmo que meus olhos
Pareçam demostrar o contrario
Sou ser humano, sou escritor.

Que ficar no banco da praça
Contanto os pássaros no fim da tarde
Ou apreciando as gotas da chuva
A tocar o telhado.

Tudo virá poesia...

E se eu novamente me apaixonar???

Está tudo bem!
A flecha que atingiu o  meu coração
Ficará entre tantas.

Permanecendo como simbolo
Que eu não morri de amor
Por que sou o escritor
Que sempre volta...

Para se aventurar, sonhar...
E que a vida é poesia
De um jeito ou de outro o bem vence o mal
E o amor vence a solidão.

“ Com um abraço apertado
Dedico essas linhas a vida
E a quem quiser se aventuras nas linhas da poesia que libertam sonhos
Transformando a nossa realidade.”

                    

                                      Rodrigo Marcs

É bela Tarde

Corre o dia Como o rio que não volta A tarde que enfim chega Vem trazendo doçura. Um café da tarde Um chá tailandês  Uma velho...