quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Eu e ela........................distantes

Na sala fica
Dois corações partidos
Um diz que é verdade
Sofre, sofre
Outro nada diz...

Lamento, disfarço
Para não cruzar o seu olhar
A culpa não é minha
E a armadilha do meu coração
Que acreditou em ilusão.

Eu e ela ficamos...assim

“ De um lado, um
Do outro lado, o outro”.

Dois mundos em um só
Nesse cubiculo, em uma sala
No colégio luar azul.

E nesse jogo de amor
Que um sofre, outro não
Quem perdeu foi o meu coração.

Que decidiu ir embora
Se libertar de um mundo
Que não é meu.

E os corações que certa vez
Ficaram cada um
Em um canto da sala.

Passou o tempo
Eu virei escritor, e fui feliz
E o outro continua na sala
em silêncio...

Viagens de um beija flor

Admiro o amanhecer
O jardim das mais belas flores
E o orvalho cristalino.

Que suavemente cai
Na madrugada sobre o campo
A esperar o raiar do dia.

Sou eu a brincar com as palavras
Junto a meu velho caderno de capa dura
E um lapís dinamarquês
Presente de uma camponesa
Nas minhas viagens pelo mundo.

Tantos! quantos? são os meus amigos!
A camponesa
O capitão e seu navio “Luna”
A dama que dançou comigo e partiu.

Até o gato...é o gato
Que no beco me assustou
Tambem virou meu amigo.

Muitas histórias
E que lembro
Em cada rabiscar.

E pensei que bom seria
Se um presente
A esses amigos enviar.

Escrevi cartas em todas as linguas
Ate em “Gates" a lingua dos gatos.

E convidei pequeno beija-flor
A viajar em meu lugar
E lhe disse:

Entregue essas cartas
Contendo o meu carinho
E a amizade que não tem distância.

Não me interprete mal
Pequeno pássaro
Mas não esqueça
De meu velho amigo gato.

Por que sei que é encantado
É Veloz ao deslizar
Na imensidão azul
Nesse céu de verão.

Sei que voa bem alto
Embora apenas te veja
Tão baixo ao lado das flores.

Vai beija - flor
Leve bons sentimentos
A quem essas cartas receber.

E no amanhecer partiu
Ao final da tarde voltou
Com chuva e alegria.

Batendo asas, sorriu
E minha face abraçou
E voltou para seu jardim
Que está dentro do meu velho caderno
Que sempre fica aberto
Esperando ele voltar...

                              

                                          Rodrigo Marcs

É bela Tarde

Corre o dia Como o rio que não volta A tarde que enfim chega Vem trazendo doçura. Um café da tarde Um chá tailandês  Uma velho...