terça-feira, 29 de março de 2011

“ Entre raios e uma canção...



“ Sentado em frente à lareira
Sinto o calor
Das chamas douradas
Que o meu corpo aquece.

Na mão pedaços de papel
Um lápis e um sonho
Lá fora somente
A chuva que antes estava calma
E agora se mostra alucinante.

Raios cada vez mais brilhantes
Mas parecem, um desenho rasgado.

Por um momento
Esqueço do tempo
Da chuva e raios.

Pensei em você
Por onde estaria
Neste exato momento.

E se estivesse aqui diria
Olhando em teus olhos
Que vou escrever uma canção
Tenho a expiração
Por sonhar com você.

E por nossos caminhos
Que demoram
Mas ainda se encontram.

Chuva fina ou relâmpago
Duplicado
E assim que eu quero fazer.

Canção no ritmo da chuva
E na força dos raios
Será assim quando dedicar
Está canção a você.

Permaneço em silêncio
Só se pode escutar o meu rabiscar
E o amassar dos meus rascunhos.

Um dia saberá que
Entre raios e uma canção
Existiu seu maior admirador.

A quem a distância
Não se deixou abater
Não sei o que sou em sua vida
Seu amigo, seu sonho
Seu amor ou anjo.

E assim acredito
E dedico a você
Através de uma simples canção
Que se renovam
A cada momento quando escrevo
De forma tal natural
Onde letras ganham vida
Quando falam de amor.

Entre raios e uma canção
Escrevi está homenagem
Que pode não ser a mais ousada
Mais é a mais apaixonante canção
Dedicada a você.

É bela Tarde

Corre o dia Como o rio que não volta A tarde que enfim chega Vem trazendo doçura. Um café da tarde Um chá tailandês  Uma velho...