Translate

segunda-feira, 21 de março de 2011

“Era uma vez, na imensidão do mar...

“Todo sonho acontece
De um jeito ou de outro
Como observar pelas tardes
As ondas se quebrando no mar.

Ou pelo jeito como contemplo
O sol se escondendo no horizonte
Sabendo que vai voltar amanhã.

Vou esperar que retorne
Fico aqui em minha solidão
Contemplado a imensidão do mar.

No balanço do barco
Que já faz tanto tempo
Que não sinto a diferença
Entre terra e mar.

É meu destino seguir
Por mares distantes
Sinto não poder voltar.

Devo seguir nesta imensidão
Tendo como companheiros
As gaivotas e os golfinhos
Que tentam me alegrar.

Dando enormes pulos
Cada vez mais altos
Intenção amiga
Ou apenas fato natural.

Sigo por estes caminhos
Sorrindo ou chorando
Na imensidão deste mar.

Preciso escrever
Para aceitar meu destino
E passar meus dias no mar.

E assim persisto
Rumo ao desconhecido
Era uma vez na imensidão do mar...




"Era uma vez, na imensidão do mar...

Um lápis, um sorriso

Te admiro Lhe faço declarações Desenho jardins. Campos floridos E você a dançar Entre as folhas. Um sorriso Um lápis Um sonho Nossa...