terça-feira, 8 de março de 2011

"Tempestade no final da tarde...





"Lagrimas caem como uma tempestade de verão
Quisesse esquecer o mundo
Parece ser o melhor remédio
Um dia que parecia ser inesquecível
Desaba-se em tamanha frustração
Ao dar um simples presente como prova de amor
Espera-se em troca a mesma ação.


Amor em forma de amizade
Tem horas que não tem a menor graça
Às vezes parece não ser o que se espera
Mas não tem jeito
Tem que aceitar
E esperar que a tempestade que maltrata a alma
Logo vai passar.

E novamente o sol possa brilhar novamente
E eu possa seguir meu caminho
E quem sabe esquecer
Que um dia claro
Transformou-se em uma tempestade de verão.


Eu e minha máquina do tempo

São 16:45 no velho relógio de bolso É inverno em Londres Fria tarde de 1875. Dias que passam sem sol Apenas nuvens vem dançar Carr...