domingo, 27 de março de 2011

“ A rosa e o cavaleiro...



 “ Certa vez em uma estrada deserta
Vinha seguindo calmamente
Um jovem cavaleiro
Perdido em seus pensamentos.

Não sabendo que por esta estrada
Logo encontraria no alto de uma colina
 Um antigo jardim
Onde ainda repousava
Uma última Rosa Serafim.

Sozinha ficava no alto
Daquela colina
Esperando por admirador
Que nunca tinha chegado.

Mas a sorte de Rosa Serafim
Já estava começando a mudar
Quando cavaleiro
Que vinha pela estrada
Chegou ao portão abandonado
Do jardim da Rosa Serafim.

Cavaleiro então
Desceu de seu cavalo
E seguiu pelo jardim.

Admirado foi seguindo
E lá no alto ele avistou
E com espanto em pensamento
Cavaleiro fez sua reflexão.

Nunca vi uma rosa assim
Com beleza e naturalidade
Encanta-me em observa-lá.

Mágica cor iluminada
 Pelo sol de primavera
Beleza assim
Não deve viver abandonada
Mas viver em um incrível castelo.

Cavaleiro então levou Rosa Serafim
Para viver no castelo
Não apenas para ser mais uma rosa
No jardim do castelo.

Mas para ser um presente
Um presente para o rei
E assim Rosa Serafim
Por lá viveu.

Encantando todo reino
E o cavaleiro que escreveu
Este nobre relato
Que será lembrado
Por muitos e muitos anos...


É bela Tarde

Corre o dia Como o rio que não volta A tarde que enfim chega Vem trazendo doçura. Um café da tarde Um chá tailandês  Uma velho...