sexta-feira, 7 de abril de 2017

Bilhetes para um nobre olhar


Por muitas noites
Perdi o meu olhar
Contando estrelas
Faíscas em espirais
Cometas a desenhar o céu
Ao alcance de um piscar.

Paro o tempo
E o meu respirar
E volto com uma certeza.

Que o pensamento é
O bilhete que me leva
Para as estrelas e o coração
De um nobre olhar.    

Meu amigo Luado


Sabe aquele amigo
Que marca nossa existência
Sim, é o meu amigo gato.

Que pela manhã
Se entrelaça entre minhas pernas
Querendo atenção
E tambem a sua ração.

Carente, pobre animal
Esperto, malandro
Que batizei de Luado
Talvez por ser um pouco avoado
Esse velho amigo gato.

E entre um gole de café
Ele sempre espera
Um agrado.

Tempo depois
A campainha toca
Eu e luado
Prontos para abrir a porta.

Sim, é ela
A minha alegria e felicidade
A minha estela
Que é a minha filha
E carinhosa amiga
Do velho gato Luado

        

terça-feira, 4 de abril de 2017

Sorriso molhado

Me lancei ao desconhecido
E deixei que as chuvas de verão
mudassem meu caminho.

A chuva caiu lá fora, na despedida
Não foi fácil...
Mas a vontade de viver e sonhar
Me fez voltar a encantar
Delicados olhares
Que percorrem esse rabiscar.

Espero sempre boas noticias
Ao escutar as gotas da chuva no telhado
Que na despedida e na receptiva
Sempre estarão lá.

Que bom é lembrar
De uma amizade distante
Ou um amor adolescente
Que resolveu voltar.

Tenho tanto a lembrar
Neste fim de tarde
Esperando a chuva chegar.

Chuva que traz alegrias
E também um belo sorriso
Que molhado por inteiro
Pela chuva a respingar
E que depois de muitos anos
Vem tomar café comigo.



quinta-feira, 2 de fevereiro de 2017

Eu e ela........................distantes

Na sala fica
Dois corações partidos
Um diz que é verdade
Sofre, sofre
Outro nada diz...

Lamento, disfarço
Para não cruzar o seu olhar
A culpa não é minha
E a armadilha do meu coração
Que acreditou em ilusão.

Eu e ela ficamos...assim

“ De um lado, um
Do outro lado, o outro”.

Dois mundos em um só
Nesse cubiculo, em uma sala
No colégio luar azul.

E nesse jogo de amor
Que um sofre, outro não
Quem perdeu foi o meu coração.

Que decidiu ir embora
Se libertar de um mundo
Que não é meu.

E os corações que certa vez
Ficaram cada um
Em um canto da sala.

Passou o tempo
Eu virei escritor, e fui feliz
E o outro continua na sala
em silêncio...

Viagens de um beija flor

Admiro o amanhecer
O jardim das mais belas flores
E o orvalho cristalino.

Que suavemente cai
Na madrugada sobre o campo
A esperar o raiar do dia.

Sou eu a brincar com as palavras
Junto a meu velho caderno de capa dura
E um lapís dinamarquês
Presente de uma camponesa
Nas minhas viagens pelo mundo.

Tantos! quantos? são os meus amigos!
A camponesa
O capitão e seu navio “Luna”
A dama que dançou comigo e partiu.

Até o gato...é o gato
Que no beco me assustou
Tambem virou meu amigo.

Muitas histórias
E que lembro
Em cada rabiscar.

E pensei que bom seria
Se um presente
A esses amigos enviar.

Escrevi cartas em todas as linguas
Ate em “Gates" a lingua dos gatos.

E convidei pequeno beija-flor
A viajar em meu lugar
E lhe disse:

Entregue essas cartas
Contendo o meu carinho
E a amizade que não tem distância.

Não me interprete mal
Pequeno pássaro
Mas não esqueça
De meu velho amigo gato.

Por que sei que é encantado
É Veloz ao deslizar
Na imensidão azul
Nesse céu de verão.

Sei que voa bem alto
Embora apenas te veja
Tão baixo ao lado das flores.

Vai beija - flor
Leve bons sentimentos
A quem essas cartas receber.

E no amanhecer partiu
Ao final da tarde voltou
Com chuva e alegria.

Batendo asas, sorriu
E minha face abraçou
E voltou para seu jardim
Que está dentro do meu velho caderno
Que sempre fica aberto
Esperando ele voltar...

                              

                                          Rodrigo Marcs

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

E se o escritor se apaixonar?

Em tantas voltas do meu rabiscar
Descrevi sonhos e ilusões
Viagens pelo mundo
Sem sair do meu lugar.

Sou feliz, sou o escritor
Que se encanta facilmente
Nos detalhes de cada amanhecer.

Mas a vida sempre surpreende
E os versos que deixei partir
Para encantar sonhos distantes
Voltaram a me abraçar

Versos velozes, sem medo
Diferentes e aventureiros
Outrora açucarados
Com perfume das flores.

Em tantas voltas, resumi que isso é o amor
Que senti por um bela
Que encantou os meus dias.

Mas a vida surpreende
E o amor me foi apagado
Não era amor
E virou um rascunho que não desejava
Por que era a minha mais bela poesia.

O que foi amor, virou ilusão
E ainda virou poesia
A tinta que antes azul, da cor do céu
Virou cinza, perdeu-se a luz.

Mas a minha força
Está no coração, no solo fertil das palavras que sempre nascem
Como flores ainda mais belas.

Ao escrever em meio a tempestade
As letras ficaram borradas pela chuva
Ainda assim não desiste e continuei continuo a escrever.

Sou forte, mesmo que meus olhos
Pareçam demostrar o contrario
Sou ser humano, sou escritor.

Que ficar no banco da praça
Contanto os pássaros no fim da tarde
Ou apreciando as gotas da chuva
A tocar o telhado.

Tudo virá poesia...

E se eu novamente me apaixonar???

Está tudo bem!
A flecha que atingiu o  meu coração
Ficará entre tantas.

Permanecendo como simbolo
Que eu não morri de amor
Por que sou o escritor
Que sempre volta...

Para se aventurar, sonhar...
E que a vida é poesia
De um jeito ou de outro o bem vence o mal
E o amor vence a solidão.

“ Com um abraço apertado
Dedico essas linhas a vida
E a quem quiser se aventuras nas linhas da poesia que libertam sonhos
Transformando a nossa realidade.”

                    

                                      Rodrigo Marcs

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Beijo de Flor...Feliz beija-flor


No jardim passeia
Delicado pássaro
Que anseia em encontrar
Entre tantas a bela flor.

Beija uma por uma
Uma doce, outras nem tanto
Mas existe uma flor
A mais bela que chamam de amor.

E que navega em pensamentos
De um jovem beija flor
Fazendo seu pequeno coração
Bater ainda mais forte.

Calma lhe peço
Pequeno beija flor
Já encontraste a melhor flor
Nesse jardim.

Uma jovem
Delicada beija flor
Que certa vez soprou em meu ouvido
Quero um beijo desse pequeno.

Adivivinha quem é ?
É você, bata asas, vai ser feliz
Meu amigo beija flor.   

Bilhetes para um nobre olhar

Por muitas noites Perdi o meu olhar Contando estrelas Faíscas em espirais Cometas a desenhar o céu Ao alcance de um piscar. Paro o te...