quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Memorias de um viajante dos sonhos; acredite em você.


Sentado em um banco
 Em um parque, rodeado pela primavera
Perdido em meus pensamentos.

Mergulhando na imaginação
Coloquei-me a sonhar
E em uma viagem fantástica
Que somente em sonhos se pode esperar.

Da claridade da realidade
Distorcendo realidade e imaginação
Em um mundo de sonhos
Transportado fui me encontrar.

E uma nova viagem
Um viajante de sonhos
Em mais uma história
Que agora irei relatar.

Estando perdido 
Em montanhas, brancas pela neve
De repente parei para pensar
Como pude agora estar perdido neste lugar.

Quisera imaginar um sonho tranqüilo
Mas perdido em pesadelo gelado fui me encontrar
Mas não tendo outra saída, continuei.
Em minha jornada.

Embora o frio quisesse me atormentar
Mas preparado, em casacos quentes me encontrava.
E assim caminhando com dificuldade
Pela neve, meus pés se afundaram.
Vendo a minha frente tudo branco 
Pensa-se por um instante seria melhor
Acordar, do que tentar desafiar.

Mas um fato importante
Onde a desistência, não me afligia.
E seguindo sem direção
Seguindo pela imensidão
Me faz pensar novamente,como e simples é nossa existência
Não somos nada, em vista da maravilha da natureza.

Vento cortante e gélido
Quer me fazer recuar,  mas perseverante.
Fui seguindo e a pensar
Ate que ao longe
Em meio a tempestade branca
Uma luz fraca, meus olhos começavam a observar.

Seria real ou apenas ilusão
Mas era real, e vagarosamente fui me aproximar.
Chegando perto, batendo na porta.
Esperando algum sinal
Batendo, sem resposta.
Melhor achar uma entrada
E como um gatuno, para dentro me abrigar.
Imaginando que dentro da casa
Nenhum habitante iria encontrar.

Uma janela quebrada, foi aonde encontrei uma passagem
E já dentro da casa, já tendo a certeza, que por ali, fazia muito tempo
Nenhuma alma iria encontrar.

Mas ao lembrar de alma
Lembrei da luz, que ao longe observava
E como podia não haver habitante
Se isto me parecia.
Agora perdido, em meio a uma tempestade
E dentro de uma casa
 Talvez vista como assombrada.
Agora  me encontrava.

O jeito foi na casa procurar
Para ter certeza de meu pensamento
Ou descobrir possível explicação.

Procurei por todos os lados 
E não encontrei o que viesse me assustar
Voltei a uma velha lareira, e um fogo fui procurar.

E engraçado fato, por ali se encontrava
Parecia que há poucos instantes, um fogo a li existia.

Mas deixei este fato de lado, e o fogo fui logo fazer
Pois o frio de fora, ainda persistia no lado de dentro
Fiz de gravetos um pequeno fogo
Que logo já podia me aquecer
Comecei então a descansar.

Em uma velha poltrona que ali repousava
Empoeirada pelo tempo
E logo, um aconchegante sono
Quis me derrubar.

E assim meus olhos
 Lentamente iam adormecer
E assim aconteceu.

Não percebendo que do lado de fora algo acontecia
A casa como magia, com raios prateados.
Feito estrelas cadentes pela casa percorriam.

Ate ficar do jeito, que estava.
E ao longe um ponto preto se podia observar
Em meio à tempestade, uma pessoa vinha caminhando.

Com casacos apropriados vinha seguindo
E pela luz da casa, vinha se orientando
E dentro da casa um vento na janela.

Fizeste me despertar, não imaginando o que estava por acontecer.
Mas como destino quis meus olhos se voltar pela janela.
E perceber que pertinho agora
Já se encontrava uma pessoa.

Com a tempestade forte, difícil era reconhecer
Num extinto de proteção, o fogo logo apaguei
E de repente escutei, o bater na porta.

E em silencio fui em direção
Ao lado é com uma surpresa, acabei por perceber
Que  aquele que vinha pelo lado de fora
Era a minha própria pessoa.
Como podia fato assim acontecer
Certeza de uma casa assombrada
E o que eu podia imaginar.

E assim, surpreso, me fez novamente pensar
Que isto só poderia ser mais um sonho
E assim fui acordar, e novamente em um banco
Agora eu estava.

Na realidade, tudo foi um sonho.
Mas alguma explicação, deveria existir
E assim pensando voltei para casa
E durante o caminho fui entender
Que quando estamos com dificuldade
Vemos-nos em uma tempestade
Buscamos encontrar uma luz, uma direção  que nos de esperança.

Mas para que se vença as dificuldades, devemos acreditar
Na força que temos, pois só assim será possível encontrar esta luz,
Está força que se encontra em nosso interior.

Basta acreditar e tudo será compreendido
E assim, percebendo que para me ajudar, perdido em uma tempestade
Fui me encontrar, a luz que procurava,
Foi por mim criada, a iniciativa e a direção para alcançar o que se espera.

Como um sonho que nos faz perceber  que a vida é
Como um aprendizado constante
Na certeza de ter encontrado a direção da minha vida
Fui vivendo intensamente, e em sonhos.

Descobrindo novos caminhos
Decifrando sonhos que me guiam pela vida
E sequem como a mais perfeita sincronia entre
Sonhos e realidade.









Atmosfera macia por sabine Sauermaul

É bela Tarde

Corre o dia Como o rio que não volta A tarde que enfim chega Vem trazendo doçura. Um café da tarde Um chá tailandês  Uma velho...